Qual é a melhor embalagem para seu alimento?

É indiscutível que a embalagem de um produto tem extrema importância no processo de venda, visto que ela é responsável por atrair os olhares do consumidor e de passar a ele uma boa aparência. Fato que é necessário considerando a enorme quantidade de produtos existentes no mercado.


Contudo, quando nos referimos a alimentos, muitos fatores além da aparência estão envolvidos e devem ser analisados para atender aos requisitos necessários. A embalagem é responsável por conservar e proteger os alimentos de agentes que podem danificá-los e atrapalhar a integridade destes até chegar ao consumidor final, além de interferir diretamente no tempo de prateleira do produto.


É nela também que o consumidor encontra as informações legais sobre o produto, as quais constam no rótulo. Portanto, pode-se dizer que a embalagem certa é uma questão de saúde pública, contando que ela é muito importante acerca da qualidade nutricional e conservação dos alimentos.

Atualmente, são diversas as opções de materiais existentes no mercado que são utilizados para esse fim, como o vidro, o plástico, o papel e os metais, cada um deles com suas características, pontos fortes e pontos fracos, os quais o empreendedor precisa analisar minuciosamente para que a melhor opção seja empregada.


Vidro


Embalagens de vidro protegem produtos que são sensíveis à luminosidade.

É um dos materiais mais antigos utilizados no mercado com essa finalidade. Pode ser transparente ou escuro, dependendo, por exemplo, da sensibilidade do produto à luz, visto que alguns podem sofrer modificações quando expostos a ela. Nesse caso, o vidro escuro filtra raios prejudiciais, como o ultravioleta.


O uso desse material apresenta muitas vantagens, como a resistência, a durabilidade e a impermeabilidade tanto ao odor quanto à umidade, ou seja, confere completa proteção ao produto embalado, desde que tenha fechamento correto. Além disso, é completamente reciclável e pode também ser usado em artesanatos como forma de reutilização. Por ser extremamente inerte, é ideal para conter praticamente quaisquer substâncias, como conservas, molhos e bebidas.


Porém, existem algumas desvantagens em relação à sua utilização dependendo da situação, como a sensibilidade a impactos e choques, o que faz necessário um cuidado maior no transporte e armazenamento, e também o alto custo de produção e o peso, quando comparado a outras opções disponíveis no mercado.



Plástico


Embalagens de plásticos são maleáveis e podem ser produzidas em diferentes formatos, tamanhos e cores.

As embalagens plásticas vêm ganhando destaque no ramo alimentício há alguns anos e podem ser usadas para substituir outros materiais, como o vidro e o aço, em diversas situações.


Existem subtipos de plástico, por isso é necessário identificar a melhor opção a ser utilizada para cada alimento, a fim de que seja capaz de garantir as características normais deste até o consumo. É utilizado na embalagem de biscoitos, massas, bebidas e muitos outros.


Muitas são as características pelas quais ele possui ampla utilização no mercado, como a maleabilidade, a qual permite que o plástico seja produzido em diferentes formatos, tamanhos e cores, possibilitando a produção de embalagens personalizadas de diversas formas.


Contudo, esse material é mais poroso à umidade e aos odores quando comparado a outros e, apesar de ser reciclável, pode gerar um grande impacto ambiental se descartado na natureza, fatores que podem ser desvantajosos em relação a sua utilização.




Papel e Papelão


A farinha é um alimento seco, e por isso, ideal para ser embalada em papel.

Os embrulhos celulósicos podem ser revestidos ou não. Quando revestidos, com plástico ou alumínio, por exemplo, podem ser empregados em embalagens primárias, ou seja, em contato direto com o produto. Já os não revestidos podem ser utilizados nesse caso também, no entanto são restritos a alimentos secos, como farinhas, devido à alta sensibilidade dessa classe de materiais à umidade.


As embalagens multicamadas, como as caixas de leite longa vida, são compostas por diversas camadas de dois ou mais materiais, como papel cartonado, alumínio e plástico. Elas permitem a obtenção de maior eficiência e praticidade no embalo, além de melhorar a proteção a impurezas externas. Porém, a reciclagem é quase impossível, devido à sua composição mista, sendo assim um ponto fraco em seu uso.




Metais


Embalagens de alumínio são uma excelente opção para armazenar alimentos, contudo não podem sofrer choques mecânicos.

As embalagens metálicas, mais comumente feitas de alumínio ou aço, têm como uma das principais características a elevada proteção do alimento contra ações biológicas, químicas e físicas, devido à sua resistência.


As latas metálicas podem ser produzidas em diversos formatos, sendo os mais comuns o retangular e o circular, e são empregadas no embalo de grande variedade de produtos, como conservas, produtos lácteos em pó, bebidas carbonatadas e cervejas, entre outros.

Dentre os pontos fortes na utilização dessas embalagens estão a impermeabilidade, a barreira à luz e ao oxigênio, e a completa possibilidade de reciclagem desses materiais.


No entanto, deve-se tomar cuidado com impactos fortes, porque pode causar pequenas fissuras que servirão como porta de entrada para microrganismos, os quais podem ser nocivos à saúde.






Portanto, a melhor embalagem é aquela que garante a proteção necessária para manter a qualidade do alimento durante o intervalo entre a produção e o consumo seguro pelo cliente. Dessa forma, é interessante que o produtor busque um serviço de consultoria, para que seja escolhido o material adequado de acordo com as características do produto e ele tenha ainda mais valor agregado.


Gostaria de saber se sua embalagem é a mais adequada para seu produto? Tem interesse em aumentar a validade deles? A Farmácia Jr. pode lhe ajudar! Confira o nosso site e entre em contato para marcar uma reunião diagnóstico.



Por Fernanda Binda



0 visualização0 comentário

© 2020 Desenvolvido por Farmácia Jr. Consultoria.