Medicamento genérico X Referência

Atualizado: Abr 6

Existe alguma diferença entre o medicamento referência e o genérico? Essa é uma dúvida que acomete a maioria das pessoas quando estão decidindo qual medicamento comprar, e provavelmente já aconteceu ou ainda acontece com você. Muitos questionamentos são levantados, afinal como pode haver tamanha diferença entre os preços sendo que ambos se propõe a mesma finalidade? Iremos abordar nesse texto as características de cada um desses medicamentos, para que na próxima vez que você precisar escolher um medicamento, estará mais informado e seguro de que fez a decisão certa.



O que é um medicamento referência?

Primeiramente precisamos conhecer um pouco do desenvolvimento de um novo medicamento. Os laboratórios farmacêuticos investem muitos anos em pesquisas para desenvolvê-los e assim que a eficácia, segurança e qualidade desses medicamentos são comprovados cientificamente, eles são registrados no órgão federal responsável pela vigilância sanitária de cada país, sendo no Brasil a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o órgão responsável. Com o registro feito, a empresa que o desenvolveu adquire uma patente, que pode durar entre 10 e 20 anos. Com tudo isso feito, temos um medicamento referência, já que foi completamente desenvolvido por algum laboratório que será o único a poder produzi-lo durante os anos em que a patente for válida, e por tratar-se de um medicamento inovador e com alto custo no seu desenvolvimento chegará ao mercado com um valor maior para o consumidor.

E o medicamento genérico? Quais as diferenças?

Após a expiração da patente, outros laboratórios farmacêuticos poderão iniciar a fabricação desses medicamentos, que são os classificados como medicamentos genéricos, pois contém o mesmo fármaco (princípio ativo), a mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma indicação terapêutica do medicamento de referência. Sendo assim, a única diferença encontrada será no custo do medicamento, que é em média 35% menor, pois os fabricantes de medicamentos genéricos não necessitam fazer investimentos em todas as fases de pesquisas para o seu desenvolvimento, visto que a maior parte dos estudos de segurança e eficácia foram realizados pelos medicamentos de referência. Com isso, fica claro o motivo de que mesmo possuindo um valor menor, o medicamento genérico ser tão eficaz e confiável quanto um medicamento referência, afinal todos os critérios são rigorosamente seguidos.

E o medicamento similar? É igual ao genérico?

O medicamento similar não é igual ao genérico! De acordo com a definição legal da vigilância sanitária, medicamento similar é aquele que atende a todos os requisitos que o medicamento genérico, mas pode diferir em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículo, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca. O medicamento similar também segue os padrões de qualidade e tem sua eficácia testada pela vigilância sanitária, no entanto medicamento similar pode ou não ser intercambiável com um medicamento genérico ou outro similar dependendo da situação, portanto, o farmacêutico deverá ser consultado para realizar a troca.

Mas quem garante a qualidade do medicamento genérico/similar?

De acordo com a ANVISA, medicamentos genéricos e similares podem ser considerados “cópias” do medicamento de referência. Para o registro de ambos medicamentos, genérico e similar, há obrigatoriedade de apresentação dos estudos de biodisponibilidade relativa e equivalência farmacêutica, que são testes necessários para comprovar a eficácia do medicamento. Desde sua criação, o medicamento genérico já tinha como obrigatoriedade a apresentação dos testes de bioequivalência, enquanto a obrigatoriedade de tais testes para medicamentos similares foi a partir de 2003, portanto, no Brasil todos os medicamentos vendidos, sejam eles referência, genérico ou similar possuem a certificação da ANVISA que garantem sua qualidade. Caso o medicamento não cumpra com os parâmetros mínimos necessários ele não poderá ser comercializado no país.

Então posso trocar meu medicamento referência por um genérico?

A troca pode ser feita com segurança, visto que o medicamento genérico é considerado intercambiável pela vigilância sanitária, ou seja, pode substituir um referência. Sendo assim, na próxima vez que você comprar um medicamento, estará muito mais informado e ficará mais seguro em sua decisão. Lembrando sempre que o farmacêutico responsável deverá sempre ser consultado caso ocorra alguma dúvida quanto à diferenciação de um referência, genérico e similar ou se a troca do medicamento prescrito deverá ser feita ou não, para garantir que você utilize o medicamento mais adequado para você.


Gostou de aprender a respeito do assunto? Compartilhe o texto e venha conhecer mais sobre medicamentos no blog da Farmácia Júnior. Siga nossas redes sociais para não perder novos posts!


12 visualizações0 comentário